Num texto enviado aos sócios, pesquisas mostram que o cérebro procura enganar quem participa de reeducação alimentar, quando os resultados são positivos.  A pessoa passa a comer uma quantidade diária de calorias, suficientes para sobrevivência e, necessariamente começa a emagrecer. O organismo entra em pânico, porque a sua meta é armazenar gordura. Como a pessoa resiste aos impactos do organismo, o cérebro para enganar a pessoa envia mensagens de FOME e a pessoa num descuido passa a comer. O cérebro vence em benefício do organismo. A pessoa perde, a barriga cresce, o infarto passa a ser sério fator de risco.

A estratégia criada por Ayrton consiste na verdade numa tática típica no jogo de xadrez. Percebendo que está sendo enganado, pois a alimentação está correta, não poderia sentir fome, procederá da seguinte maneira: começa a mastigar bem devagar, tranqüilamente, mas só “ar” e salivas. Mastigando “ar  “ bem deva gar e engolindo salivas, o cérebro vai entender que teve sucesso, forçando a vítima a comer. E estimula o hormônio da saciedade a enviar mensagem do “fim da fome”.  O cérebro tenta nos enganar e nós damos o troco.

Hoje mesmo comi bastante “ar”, engoli salivas e, acreditem, a fome desapareceu milagrosamente.

Experimentem!

Professor Ayrton